publicidade
14/02/2018 12:00

Matheus Leist fez um 1º e dois Top 5 e encerrou pré-temporada como um dos destaques na Fórmula Indy


Foto: Indy Car

Tony Kanaan e Matheus Leist


A velha máxima do futebol – “treino é treino, jogo é jogo” – também é bem aplicada no automobilismo, mas ao final dos testes coletivos da pré-temporada da Indy os especialistas já apontam como uma das gratas surpresas do ano a nítida evolução da equipe AJ Foyt. O time trouxe uma nova dupla de pilotos para 2018, ambos brasileiros: o experiente Tony Kanaan e o jovem Matheus Leist, de 19 anos, que será o mais jovem do grid nesta temporada.

Depois de encerrar o ano com o 16o e o 18o lugar em 2017, o time de AJ Foyt (lenda do automobilismo norte-americano e recordista de vitórias na Indy 500) buscou uma reformulação total, incluindo, além dos pilotos, boa parte do staff técnico. E nos treinos em três circuitos diferentes (nos mistos de Sebring e Sonoma e no oval de Phoenix), o time liderou sessões e teve seus dois pilotos no top 10 em quase todas as sessões – em muitas delas Kanaan e Leist figuraram no top 5, sendo o melhor time com Chevrolet depois da atual campeã, a Penske.

“Tivemos uma pré-temporada muito animadora. Em Sebring e Sonoma a gente via pelos tempos e pela comparação com outros pilotos presentes nos testes que nosso ritmo era rápido, mas com todos juntos em Phoenix tivemos a certeza de que estamos competitivos. É importante ressaltar que na pré-temporada ninguém treinou em circuitos de rua ou ovais longos, então sabemos que há uma longa jornada pela frente. Mas é certo que nosso time fez um excelente trabalho nesta pré-temporada”, diz Leist, que foi top 5 em Sebring, Sonoma e liderou o primeiro dia de treinos em Phoenix e foi top 5 e top 10 nas sessões seguintes no oval de 1 milha.

A ajuda do compatriota e companheiro de equipe tem sido fundamental para esta evolução do time e da rápida adaptação de Leist à nova categoria. “É uma grande oportunidade em minha carreira poder estrear na Indy e contar com um mentor como o Tony Kanaan. O aprendizado é constante e em Phoenix, pude sentir isso especialmente na sessão final, quando treinamos andar no tráfego. Por três vezes escapei de frente e consegui controlar o carro antes de bater no muro, então deu para ver que a margem de erro para buscar o limite é bem menor que o da Indy Lights, por exemplo”, diz Leist, que venceu três corridas na divisão de acesso, incluindo a preliminar da Indy 500.

O chefe da equipe, Larry Foyt, destacou a evolução do time. “Eu não poderia estar mais feliz com o trabalho feito pelo time nos testes coletivos. Fizemos muitas mudanças no time e a categoria também trouxe novidades, como o novo carro, então trabalhamos bastante e ver que já tivemos bom ritmo é bastante satisfatório. Tony andou bem forte nos testes e Matheus fez um grande trabalho como um estreante. Com muito a aprender, ele certamente teve boas lições e é ótimo que ele tenha tido esta experiência, pois vai ganhar dividendos enormes quando ele voltar aqui para correr. Este teste mostrou que o carro não é fácil de guiar e os pilotos vão ter bastante trabalho”, diz Larry.

Embora sejam permitidas sessões particulares de treinos, agora os times da Indy voltam a se reunir apenas na primeira etapa, nas ruas de São Petesburgo, na costa oeste da Flórida, no próximo dia 11.

Fonte: RF1

  • Não há comentários cadastrados até o momento!