publicidade
18/07/2019 08:44

Campeão Sul-Americano de Kart, João Pedro Maia é o primeiro piloto inscrito na nova Fórmula 4 Brasil


Foto: Fernando Santos

João Pedro Maia com seu coach Wilsinho Fittipaldi


Um dos destaques do kartismo nacional, o garoto João Pedro Maia é o primeiro piloto inscrito na maior categoria de base do automobilismo mundial que chega ao Brasil em 2020: a Fórmula 4.

Disputada em mais de 15 países e homologada pela FIA, a Federação Internacional de Automobilismo, a F4 é a porta de entrada para quem pretende fazer carreira nas pistas, principalmente para quem sai do kart, e com um superatrativo: vale pontos para a superlicença da Fórmula 1.

Estou seguindo o caminho de muitos jovens pilotos que sonham com a F1”, diz João Pedro Maia, de 15 anos, campeão Sul-Americano Codasur e Sul-Brasileiro no ano passado. “Além disso, a F4 é a grande oportunidade para muitos garotos do kart, como eu, que não tinham no Brasil uma categoria de formação tão forte. Éramos obrigados a ir para a Europa ou EUA, e agora podemos correr aqui, e com custos mais baixos”, completou.

João Pedro Maia já está dando o primeiro passo depois do kart para sua formação como piloto. Ele disputa atualmente a Fórmula Vee, a tradicional categoria-escola com mais de 50 anos de tradição no Brasil, criada pelos irmãos Emerson e Wilson Fittipaldi.

Na FVee, João Pedro é o vice-líder do Campeonato Paulista, que é disputado em Interlagos. Na Copa ECPA, em Piracicaba (SP), o garoto está na liderança.

Na Fórmula 4, João Pedro Maia terá um carro com o que existe de mais moderno no mundo em categorias de base. Será um monobloco de fibra de carbono certificado pela FIA, condição essencial para a pontuação da superlicença. O regulamento é o mesmo em vários países, onde competem mais de 200 pilotos.

A competição no Brasil dará ao campeão 12 pontos na superlicença. Pelo regulamento atual da FIA, são necessários 40 pontos em três anos para competir na F1. As provas devem começar em abril, com oito provas em quatro autódromos: Interlagos e Velo Cittá, em São Paulo, além de Curitiba e Goiânia. Cada etapa terá três provas, seguindo a programação exigida pela FIA em todo o mundo.

As negociações para trazer a Fórmula 4 estão sendo feitas pela F/Promo Racing, empresa que promove a Fórmula Vee no Brasil. A princípio, serão importados da Europa 12 carros modelo 2020.

A Fórmula 4 é hoje a porta de entrada no automobilismo mundial”, afirma Flávio Menezes, diretor da F/Promo Racing. “Nosso objetivo é oferecer a oportunidade para jovens pilotos correr aqui no Brasil com chances de seguir para a F3, depois a F2 e quem sabe chegar à F1. E ele já começa a somar os pontos da superlicença”.

Outro grande incentivo para a garotada será o custo. “Além da pontuação da Superlicença, a Fórmula 4 no Brasil será a mais barata no mundo”, afirma Andrey Valério, diretor esportivo da F/Promo Racing. A previsão é que cada temporada deverá custar cerca de R$ 470 mil. “É bem menos do que se cobra na Europa, nos EUA ou na China, por exemplo, e menos até do que um piloto gasta numa temporada de kart no Brasil”, afirma Valério. Na Europa, o custo da temporada na F4 é de cerca de 300 mil euros, quase R$ 1,4 milhão.

Hoje, o jovem do kart que sonha com uma carreira no automobilismo precisa sair do país, correr na Europa ou nos EUA. Estamos oferecendo a oportunidade de ele competir aqui, com um custo menor e com as mesmas condições técnicas que ele encontrará lá fora”, diz Flávio Menezes.

Todos se perguntam por que o Brasil deixou de ter um piloto na Fórmula 1. Durante muitos anos, esse trabalho de formação de pilotos foi esquecido no país. A chegada da Fórmula 4 é um passo importante para dar oportunidade a um maior número de jovens e podermos ter novamente não apenas um, mas vários pilotos brasileiros na F1”, afirma Andrey Valério.

A F/Promo Racing está em negociações com fornecedores europeus e a CBA (Confederação Brasileira de Automobilismo) para viabilizar a competição em 2020. A expectativa é anunciar o calendário oficial da primeira temporada até novembro deste ano.

Pontuação para a superlicença FIA na Fórmula 4:
Campeão: 12 pontos
Vice-campeão: 10 pontos
Terceiro colocado: 7 pontos
Quarto colocado: 5 pontos
Quinto colocado: 3 pontos
Sexto colocado: 2 pontos
Sétimo colocado: 1 ponto

Características técnicas da Fórmula 4:
Chassis: Monobloco em fibra de carbono homologado pela FIA.
Motor: 4 cilindros, homologado pela FIA por fabricantes como Fiat, Ford, Honda e Renault, com no máximo 160 CV.
Suspensão: Dianteira e traseira com braços triangulares com pushroads, com ajuste de barra estabilizadora.
Segurança: Padrões FIA. Estrutura dianteira e traseira para absorção de impacto, laterais antiperfurante, assento removível, encosto de cabeça, cabo de aço prendendo as rodas e coluna de direção retrátil com o impacto.
Medidas do carro: 4467 x 1738 x 958 mm
Rodas dianteiras: 8’’ x 13’’
Rodas traseiras: 10’’ x 13’’
Pneus: Fabricante de acordo com a escolha do campeonato.

Fonte: Fernando Santos

  • Não há comentários cadastrados até o momento!